• FaceBook
  •   
  • Twitter

Apresentação

O Espaço Pierre Verger da fotografia baiana resulta do desejo do povo de Salvador, através do seu prefeito, de homenagear o fotógrafo-antropólogo franco-baiano Pierre Verger, e da Fundação Pierre Verger de homenagear a fotografia baiana. Consiste em uma modesta tentativa de adequar, um dos mais conhecidos e antigo espaço arquitetural da cidade - o forte de Santa Maria, em um espaço dedicado a fotografia limitado não apenas pelo espaço físico, como pelas produções significativas realizadas no território baiano, por fotógrafos baianos ou espiritualmente naturalizados, como Verger.

Para contar de forma completa a historia da fotografia baiana, precisaríamos de um espaço muito maior e de muito mais tempo para as profundezas que o assunto requer. Tentamos contemplar essa produção da fotografia baiana a partir das temáticas abordadas por Pierre Verger, uma pessoa extremamente livre que não se encaixava numa arte só, numa disciplina só. Naturalmente pensamos em não apresentar a fotografia apenas como obra de arte, palavra à qual Verger era alérgico, mas apresentar a fotografia como uma ferramenta que foi utilizada com diversos fins: como arte, mas também como suporte de memória, como ferramenta antropológica ou como objeto de posse familiar/pessoal. Assim foram definidas as temáticas destacadas na sua obra e dos principais fotógrafos baianos.

Desta forma, essa exposição não é uma mostra que destaca individualmente a obra de diversos fotógrafos, mas que propõe uma leitura da fotografia baiana onde fotos de diversos fotógrafos, de diversas épocas, são colocadas lado a lado para que se possa estabelecer uma visão geral do que foi feito na Bahia seguindo os passos de Verger.

Para apresentar um projeto tão amplo, num espaço tão reduzido fizemos uso quase exclusivo de meios tecnológicos. Não era um objetivo em si - pois achamos que a foto precisa ainda ser apresentada em impressão - mas uma solução que transformou esse museu em um espaço tecnológico como há poucos na Bahia. Cada temática tratada com recursos tecnológicos diferentes, alguns clássicos como projeções e telas interativas, outros de tecnologia mais de ponta como apresentações virtuais ou interatividades mais complexas, busca oferecer ao visitante a possibilidade de criar a sua própria exposição, dentre das mais de 3000 fotografias apresentadas num espaço de menos de 100 m2, de tal forma que de uma visita a outra, não se vê necessariamente as mesmas obras.